escolher livros para crianças #3

Quando se compra livros para crianças, há quase sempre uma questão que se levanta "qual o livro adequado á idade dele?"
No meu entender não há uma regra específica, contudo há livros que são mais fáceis de manusear e entender pelos mais novos.

Cá por casa, o habitante mais novo deste Planeta, ouviu as belas historias de Sophia de Mello Breyner Andresen, ainda com dias de vida. Claro que ele não entendia as histórias, mas ouvia o nosso tom de voz, os ritmos e as cadências da leitura e ouvia palavras que nem sempre usamos no dia-a-dia. 
Quando começou a querer folhear os livros, arranjei-lhe uns com folhas cartonadas, mais grossas e resistentes para que os pudesse explorar sozinho mas, simultaneamente, folheava outros, de folhas mais finas e frágeis, com a nossas ajuda. Agora, a dois meses de fazer 2 anos, adora ter liberdade para poder escolher o livro que quer folhear, ver e explorar!
Claro que há livros mais apropriados a cada fase de crescimento, mas também é necessário ajudar a estimular o crescimento intelectual das crianças, por isso, tenta encontrar uma espécie de meio-termo.

Assim, deixo-te aqui algumas ideias...

_até perto dos 12 meses

No primeiro ano de vida, os bebés conhecem o mundo, principalmente, pela boca e pelas mãos, por isso os livros de tecido, plástico ou papelão duro são os mais indicados para os curiosos seres que estão empena descoberta do mundo. É importante que possam molhá-los, mordê-los, tocá-los ou dobrá-los.
Nesta importante fazer do crescimento, todos os outros sentidos também estão envolvidos, e os livros com texturas, sons ou imagens grandes e simples podem fazer as delicias dos bebés.

_entre os 12 e os 24 meses

Os miúdos já conseguem entender vários elementos e conecta-los, por isso deves escolher livros com imagens grandes e coloridas, apelativas ao olhar e á exploração! 
Ainda que haja alguns especialistas a recomendar que as imagens devem ser fotografias dos objectos reais, eu tendo a discordar. As crianças precisam de ser expostas a diversas representações do mundo, por isso, desde cedo começão a perceber que uma bicicleta, a sua fotografia ou o desenho dela, representam exactamente o mesmo objecto: a bicicleta!
O importante, nesta fase, é tentar perceber os gostos e ir de encontro a eles.

Os livros de histórias em rima, que impõem ritmo de leitura e/ou de animais que se expressam com seus próprios sons, são também muito atractivos.
Quando a história repete a mesma palavra ou frase em todo o livro, as crianças tendem a começar a imitar e a repetir o adulto e, com este acto, estamos a ajuda-la a desenvolver a memória e a linguagem.

_entre os 2 e 3 os anos

Quando começa a fase dos desenhos, as crianças gostam de ver as imagens à medida que a história é contada e, por vezes, querem ser elas a fazer as próprias ilustrações.
Nesta etapa em que começam a aprender noções como em cima/embaixo, dentro/fora, as cores e formas os livros do género "dicionários ilustrados", ajudam a absorver estes conceitos.... e claro, quanto mais divertidos e interativos, melhor! 

_entre 3 e 5 anos

Além das histórias preferidas e que ja conhecem, os miúdos, nesta fase, adoram ser os protagonistas das histórias que eles mesmos inventam.
Quando começam a perceber a intensidade dos seus sentimentos e tendem a querer demonstrá-los, por isso, gostam de ouvir histórias sobre outras crianças que se sentem como elas.

As fábulas que desenvolvem ideias sobre o bem e o mal, que retratam animais que falam e que têm sentimentos, que falam de pessoas parecidas com as que conhecem (pais, avós,família e amigos) ajudam as crianças a aprender sobre si mesmas e sobre o mundo.

Estas recomendações, são muito subjectivas, pois tudo depende da criança e dos adultos que a rodeiam. A imaginação e a criatividade deve ser exploradas e por isso, também se deve apostar nos fabulosos livros sem texto que não limitam a narração e abrem inúmeras histórias diferentes!


Sem comentários:

Enviar um comentário

Falem, partilhem e opinem!!!